Formas de pagamento:

12x nos cartões de crédito

Boleto bancário à vista


Periodicidade: Mensal

No formato digital você terá acesso a todo acervo da Revista desde 2004


Acesso: 
O acesso será enviado via e-mail, após a confirmação do pagamento, em até 48h úteis

R$ 15,50

Detalhes do Material

Agenda definida

Finalmente a Agenda Regulatória de Segurança e Saúde no Trabalho foi definida pela CTPP (Comissão Tripartite Paritária Permanente), que teve sua primeira reunião do ano em junho.
As bancadas de trabalhadores, empregadores e governo acertaram que a norma regulamentadora da vez será a NR 22 (Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração), a ser revisada e publicada ainda em 2023. A atividade, classificada como grau de risco 4, caracteriza-se por alta exposição aos riscos e à ocorrência de acidentes exigindo revisão urgente na gestão de SST no setor.
Uma norma que sofrerá atualizações é a NR 1 (Disposições Gerais e Gerenciamento de Riscos Ocupacionais). Haverá também um anexo novo sobre Carregamento Manual de Contêineres. A revisão do texto da NR 10 (Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade), em debate já há algum tempo, ficou para 2024.
Para a próxima reunião foram pactuados ajustes pontuais em diversas outras NRs. Confira todos os detalhes na matéria CTPP prioriza a NR 22 nas páginas 18 e 19.


REPORTAGEM DE CAPA / TRABALHO EM FRIGORÍFICOS
Associação de riscos em indústrias de processamento de carnes cria ambiente propício a acidentes e doenças exigindo maior prevenção
Atividades em frigoríficos reúnem as cinco categorias de riscos: químicos, físicos, biológicos, mecânicos e ergonômicos. Problemas osteomusculares; acidentes com máquinas, desconforto térmico, contaminação no contato com animais e intoxicações por amônia estão entre as complicações mais frequentes. A NR 36, que completa uma década neste ano, contribuiu para o avanço da SST nestes locais, mas a situação não é a mesma em todas as indústrias. Ainda há muito a ser feito.


ENTREVISTA
Novo gestor da SST expõe suas metas
Engenheiro de Produção e de Segurança, e Auditor Fiscal do Trabalho, Henrique Mandagará de Souza, é o novo diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho da Secretaria de Inspeção do Trabalho/MTE. O momento atual das empresas e dos profissionais em relação às exigências normativas, dificuldades da inspeção e meios para driblá-las,  estrutura do Departamento e suas prioridades estão entre os assuntos.


ARTIGOS


Resgate complexo
Práticas mais adequadas em unidades de armazenamento de grãos.

Conceito diferenciado
Abordagem promete ser abrangente e eficaz para o gerenciamento da segurança.

Novo cenário normativo
Critérios para certificação de vestimentas de proteção contra arco elétrico e fogo repentino.

Em que estágio estamos?
Identificando em qual nível está a cultura de segurança da empresa.